A convivência com os avós no equilíbrio emocional da criança – Parte 2
A convivência com os avós no equilíbrio emocional da criança
3 de outubro de 2018
Suicídio - Sinais e Prevenção | Nayara Carmo Psicóloga
Suicídio: sinais e prevenção
18 de outubro de 2018
Transtornos de Conduta Sintomas e Tratamento | Nayara Carmo PsicólogaTranstornos de Conduta Sintomas e Tratamento | Nayara Carmo Psicóloga

Transtornos de Conduta:

sinais, sintomas e tratamento

Os sinais e sintomas do transtorno de conduta mais observados incluem bullyings, intimidação dos parceiros e das autoridades, agressões físicas, uso de objetos para ferir os outros, maus tratos a pessoas e animais, roubos, violações sexuais, danos materiais públicos ou a terceiros, além de violação grave das regras morais e sociais.

As manifestações de desvio de conduta normalmente começam a se manifestar entre os 7 e os 15 anos de idade, sendo mais comuns em meninos do que em meninas, com graves prejuízos na vida social, escolar e acadêmica. Tem sido observado um aumento considerável deste transtorno em meninas, o que leva a um comportamento desequilibrado até a fase adulta.

No início, os sintomas podem ser leves, como mentiras e fuga às aulas. Depois, as atitudes tornam-se mais sérias e podem envolver agressões físicas ou ainda uso abusivo de drogas.

Crianças e adolescentes com transtorno de conduta também manifestam com mais frequência outros tipos de transtornos mentais, como transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), ansiedade e transtorno obsessivo-compulsivo. O uso de drogas também é uma característica marcante nesses jovens.

O transtorno de conduta caracteriza-se por diversos comportamentos e atitudes que perturbam os outros, com atos perigosos ou até mesmo ilícitos. Crianças com desvio de conduta não levam em consideração os sentimentos alheios e não apresentam remorso, arrependimento ou sofrimento por suas atitudes reprováveis.

Porém, é importante ressaltar que alguns atos moralmente reprováveis são comuns na infância e na adolescência, como mentir, por exemplo.

Contudo, em crianças e adolescentes com transtorno de conduta esses comportamentos disfuncionais são duradouros (pelo menos 1 ano) e podem persistir até à idade adulta, causando sofrimento aos outros e necessidade de tratamento especializado.

Portanto, as causas do transtorno de conduta são múltiplas, com influências internas da própria pessoa e do meio externo que podem interferir negativamente na formação da personalidade e favorecer o desenvolvimento do transtorno.

Alguns fatores devem ser observados com atenção para que a criança não desenvolva o transtorno, como permissividade excessiva dos pais na primeira infância, inversão de valores sobre o comportamento quando esta comete um erro – achar “bonitinho”, transferir a culpa do comportamento ou dizer que o filho(a) foi influenciado por outras crianças. Lembre-se que a responsabilidade de educar é dos pais e caso a criança apresente um comportamento inadequado deverá ser corrigida na mesma medida de seu erro para que aprenda a não repeti-lo.

Isso fará com que ela compreenda com o tempo os comportamentos sociais aceitáveis e os princípios éticos que devem nortear sua conduta, levando-a a ser um jovem e um adulto mentalmente saudável e equilibrado.

É preciso também manter a criança ciente de que ela não pode dar ordens aos adultos ou ser tratada dando-lhe onipotência sobre o ambiente, para que não transforme o sentimento natural de frustração quando recebe limites em um desvio de conduta inapropriado.

Quanto mais cedo o transtorno de conduta tem início, mais grave é o distúrbio e maiores são as chances do problema permanecer durante toda a vida se nenhuma providência for tomada.

Tratamento

O tratamento do transtorno de conduta pode incluir psicoterapia, terapia familiar, uso de medicamentos psiquiátricos, além de orientação aos pais e professores. Os resultados podem ser pouco satisfatórios, embora seja possível obter melhorias nos comportamentos.

Os medicamentos servem para controlar os sintomas (agressividade, intolerância a frustrações, hiperatividade mental e motora) e tratar outros transtornos mentais associados, como ansiedade, depressão, TDAH, entre outros.

Quanto mais cedo tiver início o tratamento e mais leves forem os sintomas, maiores serão os benefícios da psicoterapia e a evolução da criança em geral.

A resposta ao tratamento do transtorno de conduta também é muito influenciada pelo envolvimento da família e pelo ambiente em que a pessoa vive.


Leia também o artigo: Ansiedade: o final sem antes começar


Quais as causas do transtorno de conduta?

As causas do transtorno de conduta podem ter origem em fatores genéticos e ambientais. A formação da personalidade ocorre até aos 18 anos e é influenciada pelo próprio temperamento da pessoa, presente desde o nascimento, e pelo caráter, adquirido no meio e que traz as ideias de certo e errado, bem como as normas e as condutas a serem seguidas.

Além disso, existem ainda fatores genéticos, complicações e condições durante a gestação e experiências vividas na infância que exercem um papel importante na formação da personalidade da pessoa.

O transtorno de conduta pode ser considerado um tipo de distúrbio de personalidade antissocial, porém que ocorre na infância e na juventude. O transtorno tem tendência a ocorrer em pessoas cujos pais têm ou tiveram comportamentos antissociais.

Porém, o diagnóstico do transtorno antissocial só pode ser feito a partir dos 18 anos de idade, uma vez que a personalidade ainda não está totalmente formada antes dessa idade.

Nayara Carmo
Nayara Carmo
Nayara Carmo é Psicóloga, formada pela PUC/GO, especializando em Neuropsicologia e Terapia Cognitivo Comportamental.

Deixe uma resposta