Psicoterapia Infantil: Problemas no comportamento infantil.

Depressão: Um monstro invisível? | Nayara Carmo - Psicologia e Neuroestimulação
Depressão: Um monstro invisível?
21 de setembro de 2018
Ansiedade: O final sem antes começar
29 de setembro de 2018
Exibir tudo

Psicoterapia Infantil: Problemas no comportamento infantil.

Nayara Carmo Psicóloga | Psicologia Infantil: Problemas no comportamento infantil.
Nayara Carmo Psicóloga | Psicologia Infantil: Problemas no comportamento infantil.Nayara Carmo Psicóloga | Psicologia Infantil: Problemas no comportamento infantil.

Psicoterapia Infantil

Problemas no comportamento infantil.

Dados mostram que nos últimos anos a incidência de problemas no comportamento infantil e dificuldades na escola tem tido uma grande relevância.

DISTRIBUIÇÃO DOS PROBLEMAS INFANTIL QUE MOTIVARAM A BUSCA PELOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA ESCOLA.
Dificuldades de aprendizagem53,5% (85)
Dificuldades emocionais e comportamentais81,8% (130)
Dificuldades de relacionamento interpessoal32,7% (52)
Dificuldades da vida diária32,1% (51)
Dificuldades da esfera sexual5,7% (9)
Sintomas físicos17,0% (27)
Distúrbios orgânicos15,1% (24)
Dependência química3,8% (6)
Distúrbios psiquiátricos26,4% (42)
Distúrbios da alimentação e sono27,7% (44)

FONTE: GAUY, F. V. (2015)

Uma das soluções para o ajustamento desses comportamentos é a psicoterapia infantil.

O que é a psicoterapia?

A psicologia infantil é um espaço propício para trabalhar as angústias, sentimentos, medos e frustrações da criança. Para sua funcionalidade é realizada uma avaliação comportamental e uma intervenção com os pais.

Porque a terapia vai ajudar?

O processo da psicoterapia auxilia no autoconhecimento, identificando as causas atuais do problema e direciona para a um ajustamento cognitivo comportamental adequado socialmente. Muitas crianças não tem o conhecimento de si própria e suas emoções. Quando se obtém este conhecimento e isso é trabalhado, surgem os gatilhos certos para a ativação da adequação destes comportamentos, evoluindo para um hábito saudável ao decorrer de toda vida.

Como escolher um psicólogo infantil?

A confiança é extremamente importante para o andamento do tratamento.

Como sugestão, converse com familiares e amigos para obter alguma indicação. Posteriormente averigue estas referências e se as indicações deste psicólogo procedem.

Outra forma de garantir o sucesso do tratamento é a verificação dos títulos de especialidade e também nos Conselhos Regionais.

O sucesso no tratamento se dará através de uma cumplicidade entre o psicólogo e o paciente. Considere, inicialmente, a forma como este te atende, seus princípios e o que você sente no primeiro encontro com o psicólogo.

Como funciona?

A primeira sessão é realizada com os pais, ou quem exerce essa função. O psicólogo entende o que está acontecendo e mediante um diálogo busca saber informações do desenvolvimento da criança e da dinâmica familiar.  Logo após, o psicólogo planeja a avaliação comportamental para ter maiores condições de entender a reclamação e realizar um planejamento terapêutico.

A partir da segunda sessão é feita a avaliação com a criança aplicando alguns testes psicológicos específicos, além da observação clinica de forma lúdica, ou seja, “brincando”.

As crianças não são miniaturas de adultos e por não expressarem seus sentimentos em um diálogo são utilizadas brincadeiras específicas.

Posteriormente é realizada uma sessão com os pais para que seja explicado, detalhadamente, o processo realizado, especificamente, pela demanda apresentada pela criança.

Iniciamos assim, o planejamento terapêutico com encontros semanais com a criança. Para o treinamento e orientação dos pais, são realizadas mensalmente as sessões.

Essa participação dos pais é extremamente importante, uma vez que estes são responsáveis pelo desempenho do tratamento ao decorrer da semana.

A psicoterapia infantil, para ter um bom engajamento, é necessária a participação vinculada em todos os ambientes da criança. São estes: família, psicoterapia, escola, médico e outros.

Como saber se é necessário?

Existem inúmeros motivos para encaminhar uma criança para a psicologia.

Podemos perceber comportamentos diferentes do comum, tais como o choro intenso, agressividade ou isolamento, notas baixas na escola, dificuldade no relacionamento com outras pessoas, dificuldade para dormir, medos permanentes, distúrbios alimentares, dentre outros.

Muitas vezes os pais sentem dificuldade em saber o momento certo. Podemos então pensar na psicologia como uma prevenção.  Assim como pensamos na educação de qualidade e na saúde física, também devemos nos preocupar com a saúde emocional.

A prevenção é o caminho mais curto para um futuro de sucesso das crianças.

Nayara Carmo
Nayara Carmo
Nayara Carmo é Psicóloga, formada pela PUC/GO, especializando em Neuropsicologia e Terapia Cognitivo Comportamental.

Deixe uma resposta