Ansiedade: O final sem antes começar

Nayara Carmo Psicóloga | Psicologia Infantil: Problemas no comportamento infantil.
Psicoterapia Infantil: Problemas no comportamento infantil.
28 de setembro de 2018
A convivência com os avós no equilíbrio emocional da criança – Parte 2
A convivência com os avós no equilíbrio emocional da criança
3 de outubro de 2018
Nayara Carmo Psicóloga | Ansiedade: O final sem antes começarNayara Carmo Psicóloga | Ansiedade: O final sem antes começar

Ansiedade

O final sem antes começar.

Você deve conhecer aquele tipo de pessoa que investe seu dinheiro em dezenas de remédios, porém não curam alguns sintomas como estresse, insônia ou nervosismo. Vivem à base de informações duvidosas, as quais prometem muitas soluções imediatas, mas não se comprometem ou ocupam-se em trabalhar a raiz do problema.

Certamente, desde o início do presente século, apontaríamos em primeiríssimo lugar a ansiedade como o principal mal contemporâneo, uma vez que os transtornos ansiosos são bastante frequentes e incapacitantes.

A ansiedade é um tipo de comportamento psíquico comum desde a época das cavernas, pois é uma atitude responsável pelas reações do ser humano dentre situações ameaçadora e desafiadora.

Os ansiosos experimentam o final de um acontecimento para poder prever os eventos e estarem prontos para tudo que ira ocorrer. No final, este cria para si sua própria "realidade" e se prende a ela, antes mesmo de uma suposta situação ter começado. Como consequência é gerada uma frustração.

 

As características principais da ansiedade

Para identificar uma hipótese de ansiedade devemos estar atentos a alguns aspectos relevantes. Estes podem ser divididos em emocionais, cognitivos e físicos. Alguns exemplos são: preocupação excessiva, dificuldade de lidar com as incertezas, roer unhas, preocupação, comportamento de fuga, entre outros. Para pessoas que lidam com a maioria destes sintomas é muito difícil encontrar um equilíbrio sozinho para uma qualidade de vida. A ansiedade não controlada é sim prejudicial para o desenvolvimento desde a infância e o desempenho diário.

Cazuza - Alta Ansiedade

Se marco uma entrevista às 2

1:15 já fumei 10 cigarros

Se vou gravar uma faixa

A mesa do estúdio está quebrada

Não sei esperar, não sei esperar

E a minha vida é um engarrafamento

Se tenho uma festa às 10

8:30 já estou pronto

Fico balançando os pés

Sentado na bera da cama

O tempo não passa pra mim

Quero mais velocidade

Várias coisas ao mesmo tempo

Não quero esse bonde lento

Fatores neurológicos

Para entender como o processo da ansiedade é gerenciado no cérebro, precisamos entender que a ansiedade é um processo mental, mas também é um evento fisiológico. Para entender o que ocorre no corpo é preciso entender as duas áreas principais do cérebro: Glândula Hipófise, onde gerenciam os hormônios como a adrenalina e o cortisol. Amigdala, responsável pela memoria. Córtex pré-frontal, responsável pelas funções executivas. È quando ativado essas áreas pela necessidade da proteção de algo é ativado a crença de fugir ou enfrentar. Não sendo algo ruim, uma vez que é a reação de defesa, porem é problema quando se torna crônico, uma vez que isso se torna constante, pois nosso corpo não esta preparado para esse evento de forma comum.

 

Tipos de ansiedade

A ansiedade pode ser classificada por algumas categorias e assim é mais bem realizado um planejamento terapêutico.

  1. Transtorno do pânico (com ou sem agorafobia)
  2. Fobia social
  3. Transtorno de ansiedade generalizada
  4. Transtorno obsessivo-compulsivo
  5. Transtorno de estresse pós-traumático

 

O que os ansiosos podem aprender

  1. As pessoas evitam, fogem ou esquiva de situações e objetos temidos, se tornando um ciclo, no momento que a cada vez que isso acontece, a quantidade de medos aumenta e confirma seus pensamentos.
  2. Uma dica é desenvolver uma lista de planejamento do controle deste comportamento de forma gradual.
  3. A terapia comportamental cognitiva ensina algumas técnicas como, por exemplo: Relaxamento, imagens mentais, reorganização cognitivas, entre outros.

 

Perspectivas futuras

No final do tratamento é sugerido o uso de uma estrutura de prevenção a recaídas, onde é nestes casos um treinamento de regulação das experiências emocionais. Aprender a lidar com emoções é mais que ficar em paz, é saber controlar seu corpo integralmente.

Nayara Carmo
Nayara Carmo
Nayara Carmo é Psicóloga, formada pela PUC/GO, especializando em Neuropsicologia e Terapia Cognitivo Comportamental.

Deixe uma resposta